Sobre

O movimento Nerd vem ganhando cada vez mais espaço no Brasil. Um mercado cada vez mais amplo e bilionário que já possui inclusive “tipos” bem definidos de Nerds entre eles Geeks, Gamers, Otakus, Dorks e Hipsters, no Brasil em 2014 o mercado de Gamers faturou R$ 2.3 bilhões.

De olho nesse mercado, o empreendedor Daniel Bertini lança o Nerd, um blog aliado à uma Plataforma que conecta pessoas interessadas em tecnologia e obter melhores preços na hora de comprar pela internet. A Plataforma dispõe de classificações específicas para esse mercado e exibe os produtos classificados por proximidade, valor, ranking, histórico de preços, cupons de desconto, ofertas e muito mais.

“Sou Nerd e naturalmente consumo produtos desse segmento mas sentia falta de uma ferramenta mais especializada tendo em vista a riqueza de detalhes de alguns ítens”, explica o fundador, que viu a oportunidade de criar um produto inovador e diferenciado para esse mercado. De acordo com Bertini, além de ser um ferramenta especializada no mercado Nerd outro diferencial importante é que modelo de negócio irá permitir que todas as pessoas realizem bons negócios. “Estou bem entusiasmado, pois trata-se de um mercado que tem crescido muito, mesmo com a crise”, observa Bertini.

Sobre o Fundador

O empreendedorismo na vida de Daniel Bertini teve início por volta dos 20 anos de idade. Ao longo dos anos, criou várias empresas junto a amigos, como agência de criação web, site de leilão reverso de projetos para freelance, empresa de hospedagem com foco no designer e até mesmo o primeiro marketplace de lojas virtuais, alcançando cerca de 6.000 lojas ativas. Em 2010, em parceria com um amigo, criou um algorítimo de PR (Place Rank) semelhante ao PR (Page Rank) do Google destinado a indexar e classificar lugares físicos como bares e restaurantes utilizando diversas fontes de informações e cálculos de relevância. No No meio do percurso,

Daniel atuou no mercado corporativo como consultor em diversas empresas, como Terra, Aché, Burti, Vivo, Claro, Unisys, IBM e Odebrecht. Apesar da carreira no mundo corporativo não ter sido o foco, acabou contribuindo para o enriquecimento no conhecimento de gestão de equipes e, devido à diversidade de mercados, pôde aplicar tecnologia nos mais diversos cenários e ambientes, ganhando muita experiência técnica e versatilidade.